Farsa Trágica (Jacques Tourneur, 1964)

Quase que um mais do mesmo (comparando com O Corvo), só que ainda melhor. Aqui o humor é mais negro do que nunca e o timing cômico atinge o ápice. Contando com quase a mesma equipe formidável de O Corvo (acrescido de outra lenda, Basil Rathbone), The Comedy of Terrors é um clássico absoluto.

O humor negro contido nesse filme é absurdo, a começar pelos personagens: um velho decrépito, meio surdo e dominhoco; um dono de uma funerária mesquinho, inescrupuloso e bêbado, que tenta assassinar o seu sogro durante todo o filme; sua esposa, que sonha ser cantora de ópera e vive quebrando os copos da casa com seus gritos agudos; um ladrão desengonçado, especialista em abrir portas – que não consegue abrir nenhuma delas durante todo o filme; e o proprietário do prédio onde funciona a funerária (e que abriga os outros personagens), que sofre de catalepsia. Esse arquétipo de sombrios personagens, junto com o roteiro fenomenal de Richard Mathelson, e a direção segura do veterano Jacques Tourneur, tem como resultado um filme digno das “screwball comedies”, com uma pitada gótica de filme de terror. São tantas partes engraçadas que é impossível destacar uma só.

Por tudo isso, Farsa Trágica não é apenas um clássico do humor negro refinado, que não se utiliza de sangue nem de violência: é uma obra-prima e uma das melhores comédias de todos os tempos.

4/4

Adney Silva

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Comentários

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s