Superman III (Richard Lester, 1983)

Depois de toda polêmica que envolveu a produção dos dois primeiros filmes da série Superman, com direito a demissão do diretor Richard Donner antes da conclusão do segundo filme e a conseqüente debandada de parte do elenco principal, esse Superman III ficou 100% a cargo do diretor Richard Lester. Ele teve certa sorte (ou azar, dependendo do seu ponto de vista) de ter somente a presença de Christopher Reeve, o ator por trás do Superman/Clark Kent, sem contar com vários dos outros atores que participaram dos dois filmes iniciais, assim teve a liberdade total de lidar com toda uma nova estrutura em relação à história e personagens em volta do Homem de Aço. Então, se antes, no segundo filme, Richard Lester estava preso, tendo que se limitar a simplesmente terminar o trabalho de outra pessoa, aqui ele estava livre para fazer o que quiser. Isso funcionou tanto para o bem como para o mal do filme.

Funcionou para o bem porque no fim das contas, Superman III é o que mais se difere dentre todos os filmes da série, fazendo uma espécie de “quebra” no meio dela. Enquanto, Superman I, II, IV e O Retorno lidam com a questão do romance entre Clark Kent/Superman e Lois Lane, e as vilanices de Lex Luthor, aqui sem a presença de Lois e Lex, o herói pôde lidar com outras coisas, como enfrentar vilões novos ou o simples fato de voltar para Smallville, revivendo seu amor de juventude por Lana Lang (Annette O’Toole) e sua rivalidade com Brad Wilson (Gavan O’Herlihy). Ou seja, o herói está “sozinho” no seu terceiro filme, encarando outras pessoas e outras questões. Isso em si já é algo bem interessante, mesmo que Lester não consiga trabalhar tudo muito bem, perdendo tempo com certas bobeiras, mas está tudo ali, bem colocado. E funcionou para o mal porque se esse diferencial que o filme tem em relação aos outros da série é sua maior qualidade, o seu maior defeito reside no humor pastelão que o diretor Richard Lester insiste em colocar em vários momentos. A própria presença de Richard Pryor, um dos comediantes negros mais famosos da década de 80, já empurra o filme para isso. Considero que é meio difícil não se incomodar com certas cenas, como os créditos iniciais que apelam para personagens e situações caricatas, ou outras envolvendo as muitas estripulias que o personagem Gus Gorman, interpretado por Pryor, adota durante o filme, só que Superman III se coloca como uma aventura descompromissada, então esse pastelão não chega a ficar ou soar muito ridículo, já que não afeta tanto os momentos bons do filme.

Com certeza, o momento mais marcante daqui é quando o herói fica “mau” depois de ser atingido por uma kryptonita fabricada por Gus. Para um herói tão bonzinho como Superman, ver o lado ruim dele é algo notável. Mesmo que o pastelão do filme não deixe explorar todo esse seu lado ruim, já que o diretor acaba mostrando mais o lado cômico da situação, com o “Superman-Mau” fazendo com coisas como apagar a chama olímpica, ou alinhar a Torre de Pisa (reconheço que adoro essa parte da Torre de Pisa!), mas de qualquer forma, tudo ainda resulta muito interessante já que podemos presenciar esse herói bonzinho dando uma de machão a ponto de se embebedar e dar “uns pega” numa loira que dá mole para ele. Sem falar na ótima batalha entre Superman e Clark Kent num ferro velho, fazendo com que o herói se desligue desse lado bad boy. E imaginar que recentemente quando outro super-herói famoso resolveu ficar mau se limitou a virar emo (Emo-Aranha?). Ainda bem que com o Superman, a história foi bem diferente.

Outro ponto interessante é que, sem querer, o filme previu certas coisas que assolam o mundo hoje em dia, como: 1) O problema dos hackers: o personagem do Richard Pryor usa os computadores para fazer absolutamente tudo o que quer, inclusive desviar dinheiro; 2) A crise do petróleo: o vilão daqui faz o mundo de refém depois de seqüestrar toda reserva de petróleo, assim vemos as pessoas desesperadas tentando ficar com o pouco de combustível que restou; e 3) As maluquices climáticas que atinge muitos países: Um furacão surge de repente na Colômbia, destruindo tudo, sem a população nem saber da onde veio. Isso não deixa de fazer o filme ficar um pouco com cara de atual, mesmo com a idade avançada que tenha. Acrescido ao fato de que filmes recentes como Homem Aranha 3 e Hancock adotarem o mesmo elemento usado aqui do “super-herói politicamente incorreto”, fazendo assim o filme ganhar ainda mais esse ar de atual.

Assumo que tenho um carinho especial por Superman III mais pelo fato dele ser o primeiro filme que vi no cinema, quando ainda era criança, do que propriamente pela sua qualidade. Mas é que depois de tanto tempo ainda consigo vê-lo da mesma forma que vi da primeira vez, mesmo que hoje, consiga enxergar melhor os seus defeitos. Só que tudo ainda soa maior do que talvez seja: A luta do Superman contra o Clark Kent no ferro velho, o supercomputador no final, o reencontro com a Lana, as trapalhadas do Pryor e etc. De qualquer forma, esse aqui mesmo este sendo inferior aos dois anteriores, é bem superior aos que vieram depois, já que Superman IV é uma inutilidade completa, e o recente Superman – O Retorno perde muito tempo tentando ser grandioso demais sem conseguir por um minuto ser. Superman III não é assim. Ele se assume como uma aventura descompromissada desde o início e ao mesmo tempo consegue ser bem interessante. Quem disse que uma coisa é inversa à outra?

3/4

Jailton Rocha

Anúncios

3 Comentários

Arquivado em Resenhas

3 Respostas para “Superman III (Richard Lester, 1983)

  1. O que mais ou menos dá algum valor a esse aqui são a sequência da briga do Clark contra o Super e a representação do medo que a informatização despertava na população quando as crianças não nasciam passando pro Ipod as músicas baixadas pelo eMule. De resto, é praticamente um apanhado de idéias erradas.

  2. Pingback: Top! Filmes que Marcaram Minha Infância «

  3. alex

    apesar de despretencioso e um bom filme e mostra tambem o quanto richard lester e inferior ao donner.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s